Tabagismo, uma Patologia Corporativa Transmissível pela Indústria do Tabaco. Como os Profissionais de Saúde podem Contribuir para Deter essa Epidemia?

  • André Luiz Oliveira da Silva Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Rio de Janeiro (RJ), Brasil.
  • Felipe Lacerda Mendes Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro (RJ), Brasil.
  • Cristina de Abreu Perez Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro (RJ), Brasil.
  • Josino Costa Moreira Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. Fundação Oswaldo Cruz (Cesteh/Ensp/Fiocruz). Rio de Janeiro (RJ), Brasil.
Palavras-chave: Indústria do Tabaco, Prevenção do Hábito de Fumar, Tabagismo/prevenção & controle

Resumo

Os avanços nas Políticas de Controle do Tabaco no Brasil são inegáveis e são considerados uma referência global no que concerne à redução do número de fumantes e na redução da morbimortalidade tabaco-relacionada, contudo, o tabagismo ainda é uma importante causa de adoecimento e morte na nossa população.
Nesse cenário, considera-se importante discutir as formas que o uso do tabaco é disseminado e apontar como os profissionais de saúde podem contribuir para as Políticas de Controle do Tabaco.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-05-26
Como Citar
1.
Oliveira da Silva AL, Lacerda Mendes F, de Abreu Perez C, Costa Moreira J. Tabagismo, uma Patologia Corporativa Transmissível pela Indústria do Tabaco. Como os Profissionais de Saúde podem Contribuir para Deter essa Epidemia?. Rev. Bras. Cancerol. [Internet]. 26º de maio de 2020 [citado 5º de agosto de 2021];66(2):e-08892. Disponível em: https://rbc.inca.gov.br/revista/index.php/revista/article/view/892
Seção
ARTIGOS DE OPINIÃO