Pacientes com Câncer e suas Representações Sociais sobre a Doença: Impactos e Enfrentamentos do Diagnóstico

Autores

  • Rachel Verdan Dib Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Rio de Janeiro (RJ), Brasil.
  • Antonio Marcos Tosoli Gomes Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4235-9647
  • Raquel de Souza Ramos Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-1939-7864
  • Luiz Carlos Moraes França Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-6370-115X
  • Leandra da Silva Paes Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4742-1860
  • Mariana Luiza de Oliveira Fleury Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-7479-3208

DOI:

https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2022v68n3.1935

Palavras-chave:

neoplasias, assistência ao paciente, psicologia social, enfermagem oncológica, adaptação psicológica

Resumo

Introdução: O diagnóstico de câncer atinge diversos aspectos, como emocionais, de relacionamento, espirituais e financeiros, tornando-o um importante problema de saúde pública mundialmente. Objetivo: Analisar a estrutura das representações sociais do câncer para pacientes oncológicos hospitalizados adultos e apontar sua relação com aspectos do cotidiano de enfrentamento do diagnóstico e do adoecimento por essa patologia. Método: De natureza qualitativa, descritiva e exploratória, embasado na Teoria das Representações Sociais. O cenário foi um hospital federal de câncer, no município do Rio de Janeiro, com 111 participantes vivendo o adoecimento oncológico. Foram coletadas as evocações livres ao termo indutor “câncer” e aplicado o questionário para caracterização dos pacientes. A análise se deu por intermédio do software EVOC 2005. Resultados: Participantes, majoritariamente homens (69,3%), com ensino fundamental (57,6%). Apresentaram-se como provável núcleo central: doença, tristeza e morte. O conhecimento reificado do câncer ocorreu por meio da palavra “doençaˮ. Reconhece-se o predomínio de elementos negativos, ainda que hajam alguns positivos como tratamento, cura e Deus na representação do grupo. A doença em voga carreia estigma, tornando o enfrentamento um processo doloroso e triste. Conclusão: É possível observar o pesar de estar com câncer na visão dos pacientes, ao passo que a esperança existe e os move em direção à cura. Identifica-se a necessidade de o profissional enfermeiro dar enfoque no que diz respeito à dimensão espiritual e religiosa em seu cuidado, entendendo o indivíduo como um ser único e complexo que demanda cuidados individuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Organização Pan-Americana da Saúde [Internet]. Washington (DC): OPAS; [data desconhecida]. Câncer: folha informativa; [atualizada 2020 out; acesso 2020 maio 20]. Disponível em: https://www.paho.org/pt/topicos/cancer

Matos MR, Muniz RM, Barboza MCN, et al. Representações sociais do processo de adoecimento dos pacientes oncológicos em cuidados paliativos. Rev Enferm UFSM. 2017;7(3):398-410. doi: https://doi.org/10.5902/2179769225801

Lima SF, Silva RGM, Silva VSC, et al. Representações sociais sobre o câncer entre familiares de pacientes em tratamento oncológico. REME Rev Min Enferm [Internet]. 2016 [acesso 2020 maio 16];20:e967. Disponível em: https://www.reme.org.br/exportarpdf/1103/e967.pdf

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2020: incidência de câncer no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2019 [acesso 2020 maio 20]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document/estimativa-2020-incidencia-de-cancer-no-brasil.pdf

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Rio de Janeiro: INCA; [data desconhecida]. Causas e prevenção: estatísticas de câncer; [modificado 2022 abr 25; acesso 2020 maio 20]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/numeros-de-cancer

Brito KCFV, Souza SR. As necessidades de cuidado do cliente oncológico hospitalizado: aplicação da taxonomia nanda. Rev Pesqui Cuid Fundam. 2017;9(2):327-32. doi: https://doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i2.327-332

Abric JC. A abordagem estrutural das representações sociais. In: Moreira ASP, Oliveira DC (organizadores). Estudos interdisciplinares em representação social. 2. ed. Goiânia: AB; 2000. p. 27-38.

França LCM, Gomes AMT, Dib RV, et al. As representações sociais da espiritualidade entre homens e mulheres atendidos em um ambulatório de HIV/AIDS. Fragm Cult. 2019;29(4):648-59. doi: https://doi.org/10.18224/frag.v29i4.7664

Wakiuchi J, Oliveira DC, Marcon SS, et al. Sentidos e dimensões do câncer por pessoas adoecidas – análise estrutural das representações sociais. Rev Esc Enferm USP. 2020;54:e03504. doi: https://doi.org/10.1590/s1980-220x2018023203504

Cunha FF, Vasconcelos EV, Silva SED, et al. Representações de pacientes oncológicos sobre o tratamento de quimioterapia antineoplásica. Rev Pesqui Cuid Fundam. 2017;9(3):840-7. doi: https://doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i3.840-847

Martins AM, Nascimento ARA. Representações sociais de corpo após o adoecimento por câncer na próstata. Psicol Estud. 2017;22(3):371-81. doi: https://doi.org/10.4025/psicolestud.v22i3.31728

Sá CP. Núcleo central das representações sociais. 2. ed. Petrópolis: Vozes; 2002.

Barbosa BFS, Gomes AMT, Mercês MC, et al. As representações sociais de Iemanjá para seus devotos: apontamentos para o cuidado de enfermagem. Enferm Bras. 2019;18(2):281-90. doi: https://doi.org/10.33233/eb.v18i2.2767

Sampaio TSO, Sampaio LS, Vilela ABA. Conteúdos e estrutura representacional sobre família para idosos em corresidência. Ciênc Saúde Colet. 2019;24(4):1309-16. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232018244.09122017

Wolter RP, Wachelke J, Naiff D. A abordagem estrutural das representações sociais e o modelo dos esquemas cognitivos de base: perspectivas teóricas e utilização empírica. Temas Psicol. 2016;24(3):1139-52. doi: https://doi.org/10.9788/TP2016.3-18

Donato SP, Ens RT, Favoreto EDA, et al. Da análise de similitude ao grupo focal: estratégias para estudos na abordagem estrutural das representações sociais. Educ Cult Contemp [Internet]. 2017 [acesso 2020 maio 5];14(37):367-91. Disponível em: http://periodicos.estacio.br/index.php/reeduc/article/view/3786/1999

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos [Internet]. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 2013 jun 13 [acesso 2020 maio 5]; Seção 1:59. Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou de informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana, na forma definida nesta Resolução [Internet]. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 2016 maio 24 [acesso 2020 maio 13]; Seção 1:44. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2016/res0510_07_04_2016.html

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução nº 580, de 22 de março de 2018. Regulamenta o disposto no item XIII.4 da Resolução CNS nº 466, de 12 de dezembro de 2012, que estabelece que as especificidades éticas das pesquisas de interesse estratégico para o Sistema Único de Saúde (SUS) serão contempladas em Resolução específica, e dá outras providências [Internet]. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 2018 jul 16 [acesso 2020 maio 7]; Seção 1:55. Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2018/Reso580.pdf

Wakiuchi, J, Marcon SS, Oliveira DC, et al. Reconstruindo a subjetividade a partir da experiência do câncer e seu tratamento. Rev Bras Enferm. 2019;72(1):125-33. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0332

Melo MC, Fonseca CMF, Silva PRV. Internet e mídias sociais na educação em saúde: o cenário oncológico. Cad Tem Pres. 2017;27:69-83. doi: https://doi.org/10.33662/ctp.v0i27.7486

Araújo LS, Coutinho MPL, Araújo-Moraes LC, et al. Preconceito frente à obesidade: representações sociais veiculadas pela mídia impressa. Arq Bras Psicol [Internet]. 2018 [acesso 2020 maio 26];70(1):69-85. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/arbp/v70n1/06.pdf

Passos KK, Leonel AC, Bonan PR, et al. Quality of information about oral cancer in Brazilian Portuguese available on Google, Youtube, and Instagram. Med Oral Patol Oral Cir Bucal. 2020;25(3):e346-52. doi: https://doi.org/10.4317/medoral.23374

Silva WB, Barboza MTV, Calado RSF, et al. Vivência da espiritualidade em mulheres diagnosticadas com câncer de mama. Rev Enferm UFPE online. 2019;13:e241325. doi: https://doi.org/10.5205/1981-8963.2019.241325

Castro EKK, Lawrenz P, Romeiro F, et al. Percepção da doença e enfrentamento em mulheres com câncer de mama. Psic Teor e Pesq. 2016;32(3):1-6. doi: https://doi.org/10.1590/0102-3772e32324

Menezes RR, Kameo SY, Valença TS, et al. Qualidade de vida relacionada à saúde e espiritualidade em pessoas com câncer. Rev Bras Cancerol. 2018;64(1):9-17. doi: https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2018v64n1.106

Batista KA, Mercês MC, Santana AIC, et al. Sentimentos de mulheres com câncer de mama após mastectomia. Rev Enferm. UFPE online. 2017 [acesso 2020 maio 9];11(7):2788-94. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/23454

Garcia TA, Daiuto PR. A paciente com câncer de mama e as fases do luto pela doença adquirida. UNINGÁ Review [Internet]. 2016 [acesso 2020 maio 9];28(1):106-12. Disponível em: http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/1841

Soratto MT, Silva DM, Zugno PI, et al. Espiritualidade e resiliência em pacientes oncológicos. Saúde Pesqui [Internet]. 2016 [acesso 2020 maio 16];9(1):53-63. doi: https://docs.bvsalud.org/biblioref/2017/02/831994/6.pdf

Charalambous A, Radwin L, Berg A, et al. An international study of hospitalized cancer patients’ health status, nursing care quality, perceived individuality in care and trust in nurses: a path analysis. Int J Nurs Stud. 2016;61:176-86. doi: https://doi.org/10.1016/j.ijnurstu.2016.06.013

Rocha LG, Souza AQ, Arrieira ICO. Fé e espiritualidade no cotidiano de pacientes pré-operatórios internados na clínica cirúrgica. J Nurs Health [Internet]. 2020 [acesso 2020 maio 28];10(2):e20102003. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/enfermagem/article/view/17868/11418

Thiengo PCS, Gomes AMT, Mercês MC, et al. Espiritualidade e religiosidade no cuidado em saúde: revisão integrativa. Cogitare Enferm. 2019;24:e58692. doi: https://doi.org/10.5380/ce.v24i0.58692

Downloads

Publicado

2022-08-04

Como Citar

1.
Dib RV, Gomes AMT, Ramos R de S, França LCM, Paes L da S, Fleury ML de O. Pacientes com Câncer e suas Representações Sociais sobre a Doença: Impactos e Enfrentamentos do Diagnóstico. Rev. Bras. Cancerol. [Internet]. 4º de agosto de 2022 [citado 8º de agosto de 2022];68(3):e-061935. Disponível em: https://rbc.inca.gov.br/index.php/revista/article/view/1935

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL