Mortalidade por Câncer de Cólon e Reto no Brasil e suas Regiões entre 2006 e 2020

Autores

  • Andrea Almeida Tofani Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Instituto de Medicina Social Hesio Cordeiro (IMS). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2847-7145
  • Marcus Vinícius Barbosa Verly-Miguel Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Instituto de Medicina Social Hesio Cordeiro (IMS). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-7347-7852
  • Marcio Candeias Marques Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Instituto de Medicina Social Hesio Cordeiro (IMS). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0566-1209
  • Marina Rodrigues de Almeida Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Instituto de Medicina Social Hesio Cordeiro (IMS). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1000-3796
  • Patricia Moreira dos Santos Menezes Rezende Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Instituto de Medicina Social Hesio Cordeiro (IMS). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0009-0005-9586-5457
  • Viviane Azevedo da Nobrega Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Instituto de Medicina Social Hesio Cordeiro (IMS). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0009-0009-0620-8375
  • Lysia Daniela Santos Cunha Universidade Estácio de Sá, Faculdade de Medicina Veterinária. Niterói (RJ), Brasil. https://orcid.org/0009-0008-5120-5547
  • Tatiana Henriques Leite Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Instituto de Medicina Social Hesio Cordeiro (IMS). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2861-4480

DOI:

https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2024v70n1.4404

Palavras-chave:

Epidemiologia/estatística & dados numéricos, Neoplasias Colorretais, Estudos de Séries Temporais, Brasil

Resumo

Introdução: No Brasil, estima-se a ocorrência de 704 mil casos novos de câncer para cada ano do triênio 2023-2025, sendo o câncer de cólon e reto (CCR) o tipo de neoplasia responsável pela terceira maior taxa de mortalidade para ambos os sexos. Objetivo: Analisar a tendência temporal de mortalidade prematura por CCR de 2006 a 2020, em ambos os sexos, no Brasil e em suas cinco Macrorregiões, e avaliar o alcance da meta proposta pelo Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis no Brasil 2011-2022 do Ministério da Saúde (MS) em relação ao CCR. Método: Estudo de séries temporais das taxas de mortalidade prematura e padronizada de CCR (CID-10: C18-21) tendo como população de estudo a do Brasil, com dados obtidos a partir do Sistema de Informação sobre Mortalidade do DATASUS de 2006 a 2020. Resultados: As taxas de mortalidade prematura por CCR apresentaram aumento linear ao longo do período observado, porém com importantes diferenças regionais. Em relação ao CCR, a meta proposta pelo plano do MS não foi alcançada. Conclusão: Houve um aumento das taxas de mortalidade prematura por CCR no Brasil, tendência esperada em países em desenvolvimento. Por ser um câncer que envolve fatores de risco modificáveis, são importantes ações contínuas voltadas para o manejo desses fatores, tais como políticas nacionais de promoção de saúde. Além disso, são necessários estudos que subsidiem políticas preventivas de programas de rastreamento e diagnóstico precoce.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

GCO: Global Cancer Observatory [Internet]. Lyon: IARC; c1965-2022. Estimated number of new cases in 2020, worldwide, both sexes, all ages. [acesso 2021 mar 8]. Disponível em: https://gco.iarc.fr/today/onlineanalysis-table

Sung H, Ferlay J, Siegel RL, et al. Global Cancer Statistics 2020: GLOBOCAN Estimates of Incidence and Mortality Worldwide for 36 Cancers in 185 Countries. CA A Cancer J Clin. 2021;71(3):209-49. doi: https://doi.org/10.3322/caac.21660

Malta DC, Duncan BB, Schmidt MI, et al. Trends in mortality due to non-communicable diseases in the Brazilian adult population: national and subnational estimates and projections for 2030. Popul health metrics. 2020;18(sup1):1-4. doi: https://doi.org/10.1186/s12963-020-00216-1

Dutra VG, Parreira VA, Guimarães RM. Evolution of mortality for colorectal cancer in Brazil and regions, by sex, 1996-2015. Arq Gastroenterol. 2018;55(1):61-5. doi: https://doi.org/10.1590/S0004-2803.201800000-12

Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2023: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2022. [acesso 2023 ago 1]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document/estimativa-2023.pdf

Instituto Nacional de Câncer [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2022. Estatísticas de cancer: Ações de Vigilância do Câncer, componente estratégico para o planejamento eficiente e efetivo dos programas de prevenção e controle de câncer no país; 2023 jun 23 [atualizado 2023 jul 18; acesso 2023 set 14]. Disponível em: https://www.gov.br/inca/pt-br/assuntos/cancer/numeros

Center MM, Jemal A, Smith RA, et al. Worldwide variations in colorectal cancer. CA: Cancer J Clin. 2009;59(6):366-78. doi: https://doi.org/10.3322/caac.20038

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, American Institute for Cancer Research, World Cancer Research Fund. Dieta, nutrição, atividade física e câncer: uma perspectiva global – um resumo do terceiro relatório de especialistas com uma perspectiva brasileira. Rio de Janeiro: INCA; 2020. [acesso 2023 jul 1]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document/dieta_nutricao_atividade_fisica_e_cancer_resumo_do_terceiro_relatorio_de_especialistas_com_uma_perspectiva_brasileira.pdf

Habr-Gama A. Câncer coloretal: a importância de sua prevenção. Arq. Gastroenterol. 2005;42(1):2-3. doi: https://doi.org/10.1590/S0004-28032005000100002

Arnold M, Sierra MS, Laversanne M, et al. Global patterns and trends in colorectal cancer incidence and mortality. Gut. 2016:66(4):683-91. doi: https://doi.org/10.1136/gutjnl-2015-310912

Camargo Cancela M, Bezerra de Souza DL, Leite Martins LF, et al. Can the sustainable development goals for cancer be met in Brazil? A population-based study. Front Oncol. 2023;12:1060608. doi: https://doi.org/10.3389/fonc.2022.1060608

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília, DF: MS; 2011.

World Health Organization. WHO Global action plan for the prevention and control of noncommunicable disease 2013-2020 [Internet]. Geneva: WHO; 2013. [2021 jul 1]. Disponível em: https://www.who.int/publications/i/item/9789241506236

SIM: Sistema de Informação sobre Mortalidade [Internet]. Versão 3.2.1.2. Brasília (DF): DATASUS. [data desconhecida] - [acesso 2023 ago 1]. Disponível em: http://sim.saude.gov.br/default.asp

Costa AJL, Kale PC, Vermelho LL. Indicadores de saúde. In: Medronho RA, Bloch KV, Luiz RR, et al. Epidemiologia. São Paulo: Atheneu; 2008. p. 38.

Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde [Internet]. Brasília, DF:MS; 2023. Demográficas e Socioeconômicas; [sem data]. [acesso 2023 ago 1]. Disponível em: https://datasus.saude.gov.br/demograficas-e-socioeconomicas/

Mathers CD, Bernard C, Iburg KM, et al. Global burden of disease in 2002: data sources, methods and results [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2003. [acesso 2023 ago 1]. Disponível em: https://citeseerx.ist.psu.edu/document?repid=rep1&type=pdf&doi=b1570a1c4ea8d47e1a81b7c012b054439870cc15

Girianelli VR, Gamarra CJ, Azevedo e Silva G. Os grandes contrastes na mortalidade por câncer do colo uterino e de mama no Brasil. Rev Saúde Publica. 2014;48(3):459-67.

França E, Teixeira R, Ishitani L, et al. Ill-defined causes of death in Brazil: a redistribution method based on the investigation of such causes. Rev Saúde Pública. 2014;48:671-81.

Morettin PA, Toloi CM. Análise de séries temporais: modelos lineares univariados. São Paulo: Editora Blucher; 2018.

Johnston J, Dinardo J. Métodos econométricos [A3]. 4 ed. Singapura: McGraw-Hill; 2004.

Oliveira MS, Montovani EH, Santana MD, et al. Mortalidade por doença respiratória crônica no Brasil: tendência temporal e projeções. Rev Saúde Pública. 2022;56:52. doi: https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2022056003672

R: The R Project for Statistical Computing [Internet]. Version 4.1.0 [Desconhecido]: The R foundation. 2021 Nov 2 - [acesso 2023 ago 1]. Disponível em: https://www.r-project.org/

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução n° 510, de 7 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou e informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana, na forma definida nesta Resolução. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 2016 maio 24; Seção I:44.

Dutra VG, Guimarães RM. Desenvolvimento social e mortalidade por câncer de cólon e reto no Brasil, 1996-2013. Rev Bras Cancerol. 2016;62(4):345. doi: https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2016v62n4.216

American Cancer Society.. Atlanta: American Cancer Society; 2020. Key Statistics for Colorectal Cancer; 2023 ago 1. [atualizado 2024 jan 29; acesso 2023 ago 14]. Disponível em: https://www.cancer.org/cancer/colonrectal-cancer/about/key-statistics.html

Neves FJ, Mattos IE, Koifman RJ. Mortalidade por câncer de cólon e reto nas capitais brasileiras no período 1980-1997. Arq Gastroenterol. 2005;42(1):63-70.

Kuiava VA, Grisolia ET, Fornari F, et al. Reported mortality for colorectal cancer in Brazil in the first 16 years of the 21st century. Clin Biomed Res. 2019;39(3):186-92. doi: https://doi.org/10.22491/2357-9730.93465

Souza DL, Jerez-Roig J, Cabral FJ, et al. Colorectal cancer mortality in Brazil: predictions until the year 2025 and cancer control implications. Diseases of the colon & rectum. 2014;57(9):1082-9.

Barbosa IR, Souza DL, Bernal MM, et al. Cancer mortality in Brazil: temporal trends and predictions for the year 2030. Medicine. 2015;94(16):e746. https://doi.org/10.1097/md.0000000000000746

Jardim BC, Ferreira VD, Junger WL, et al. Cancer mortality in the capitals and in the interior of Brazil: a fourdecade analysis. Rev Saúde Pública. 2020;54:126. doi: https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2020054002255

Martin FL, Morais CL, Sakita JY, et al. Age-related and gender-related increases in colorectal cancer mortality rates in Brazil between 1979 and 2015: projections for continuing rises in disease. J Gastrointest. Canc. 2021;52:280-8. doi: https://doi.org/10.1007/s12029-020-00399-8

Moura AR, Marques AD, Dantas MS, et al. Trends in the incidence and mortality of colorectal cancer in a brazilian city. BMC Research Notes. 2020;13(560):1-6. doi: https://doi.org/10.1186/s13104-020-05411-9

Gomes R, Nascimento EF, Araújo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad Saúde Pública. 2007;23(3):565-74. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000300015

Majek O, Gondos A, Jansen L, et al. Sex differences in colorectal cancer survival: population-based analysis of 164,996 colorectal cancer patients in Germany. PloS one. 2013;8(7):e68077. doi: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0068077

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018: despesas, rendimentos e condições de vida. Rio de Janeiro: IBGE; 2019.

Rodrigues RM, Souza AD, Bezerra IN, et al. Evolução dos alimentos mais consumidos no Brasil entre 2008-2009 e 2017-2018. Rev Saúde Pública. 2021;55(Supl1):1-10s. doi: https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2021055003406

Lima MA, Villela DA. Fatores sociodemográficos e clínicos associados ao tempo para o início do tratamento de câncer de cólon e reto no Brasil, 2006-2015. Cad Saúde Pública. 2021;37(5):e00214919. doi: https://doi.org/10.1590/0102-311X00214919

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Rastreamento. Brasília, DF: MS; 2010.

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Detecção Precoce do câncer. Rio de Janeiro: INCA; 2021. [acesso 2023 set 1]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document/deteccao-precoce-do-cancer.pdf

Malta DC, Andrade SS, Oliveira TP, et al. Probabilidade de morte prematura por doenças crônicas não transmissíveis, Brasil e regiões, projeções para 2025. Rev Bras Epidemiol. 2019;22:e190030. https://doi.org/10.1590/1980-549720190030

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE divulga estimativas de sub-registro e subnotificação de nascimentos e óbitos em 2021. Agência IBGE Notícias. 2023 dez 14. [acesso 2023 dez 14]. Disponível: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-deimprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/38664-ibgedivulga-estimativas-de-sub-registro-e-subnotificacaode-nascimentos-e-obitos-em-2021#:~:text=O%20total%20estimado%20de%20%C3%B3bitos,2015%20(2%2C32%25).

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. A qualidade das Informações. Saúde Brasil 2014. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014.

Publicado

2024-03-14

Como Citar

1.
Tofani AA, Verly-Miguel MVB, Marques MC, de Almeida MR, Rezende PM dos SM, da Nobrega VA, Cunha LDS, Leite TH. Mortalidade por Câncer de Cólon e Reto no Brasil e suas Regiões entre 2006 e 2020. Rev. Bras. Cancerol. [Internet]. 14º de março de 2024 [citado 19º de abril de 2024];70(1):e-074404. Disponível em: https://rbc.inca.gov.br/index.php/revista/article/view/4404

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL