Polimedicação em Idosos Submetidos a Tratamento Oncológico

  • Brenda Laleska Pinheiro Alves Hospital São Domingos. São Luís (MA), Brasil.
  • Vanessa Graciele Nunes da Silva Raia Drogasil. São Paulo (SP), Brasil.
  • Idilva Bacellar Martins Oliveira Silva Caetano Hospital Municipal Djalma Marques. São Luís (MA), Brasil.
  • Annemeri Livinalli CF ONCO. Jundiaí (SP), Brasil.
  • Maria Luiza Cruz Departamento de Farmácia da Universidade Federal do Maranhão. São Luís (MA), Brasil.
Palavras-chave: Polimedicação, Neoplasias/tratamento farmacológico, Antineoplásicos, Idoso

Resumo

Introdução: O paciente idoso com câncer possui risco potencial de polimedicação pelo aumento de comorbidade e complexidade do tratamento do câncer que, muitas vezes, inclui múltiplos antineoplásicos e medicamentos de suporte. Objetivo: Identificar a frequência de polimedicação, o uso de medicamentos potencialmente inapropriados e a interação medicamentosa em pacientes idosos com câncer. Método: Coletaram-se informações sociodemográficas, farmacológicas e clinicas de 20 pacientes idosos (≥65 anos) com câncer, polimedicados (≥cinco medicamentos), de julho a agosto de 2016, em um ambulatório em São Luís – MA, por meio de prontuário eletrônico e questionários aplicados em entrevistas. Para analise dos dados, utilizaram-se as ferramentas: Classificação Anatômica Terapêutica Química, Micromedex®, Drugs®, Lexicomp® e o Manual de fitoterápicos da Anfarmag. O Beers Criteria 2015 foi utilizado para identificação dos medicamentos potencialmente inapropriados para idosos. Resultados: Entre os pacientes, 70% eram do sexo masculino, com idade media de 73 anos (DP=7,9). Os tipos de câncer mais prevalentes foram os de próstata e mama. Quanto às comorbidades, as cardiovasculares e as endócrinas foram as mais relatadas. Foram identificados 134 medicamentos prescritos e de automedicação, dos quais, 41 eram antineoplásicos. Oitenta por cento dos pacientes estavam expostos a risco potencial de interação medicamentosa, totalizando 90 (63,2% de gravidade moderada, 21,2% importante e 8,8% menor). Detectaram-se quatro interações envolvendo plantas medicinais e sete medicamentos inapropriados para idosos em 20% e 65% dos pacientes, respectivamente. Conclusão: Entre os pacientes incluídos neste estudo, verificou-se a ocorrência de polimedicação, de interações medicamentosas potenciais e do uso de medicamentos potencialmente inapropriados para idosos.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-01-28
Como Citar
1.
Laleska Pinheiro Alves B, Graciele Nunes da Silva V, Bacellar Martins Oliveira Silva Caetano I, Livinalli A, Cruz ML. Polimedicação em Idosos Submetidos a Tratamento Oncológico. Rev. Bras. Cancerol. [Internet]. 28º de janeiro de 2020 [citado 8º de março de 2021];65(4):e-09379. Disponível em: https://rbc.inca.gov.br/revista/index.php/revista/article/view/379
Seção
ARTIGO ORIGINAL