Cardiotoxicidade nas Terapias Neoadjuvante e Adjuvante do Câncer de Mama

Autores

  • Livia Christina de Oliveira Pina Grupo Oncoclínicas. Rio de Janeiro (RJ), Brasil.
  • Flavia Axelband Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro (RJ), Brasil.
  • Maria Fernanda Barbosa Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro (RJ), Brasil.
  • Mario Jorge Sobreira da Silva Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2019v65n3.404

Palavras-chave:

Cardiotoxicidade, Neoplasias da Mama, Doxorrubicina, Ciclofosfamida, Trastuzumab

Resumo

Introdução: O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres em todo o mundo, representando quase 25% de todos os casos de câncer. Alguns fármacos possuem características peculiares relacionadas à cardiotoxicidade. Objetivo: Analisar a incidência, as características clínicas e os fatores de risco associados à ocorrência de cardiotoxicidade em pacientes submetidas ao protocolo doxorrubicina e ciclofosfamida seguido ou não de taxanos e naquelas que realizaram o mesmo protocolo associado ao trastuzumabe. Método: Trata-se de um estudo de coorte realizado em um hospital público do Rio de Janeiro. Foram incluídas 153 pacientes que iniciaram tratamento entre os meses de setembro e novembro de 2012. A cardiotoxicidade foi definida com base nos critérios do Cardiac Review and Evaluation Committee e da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Foi calculado o risco relativo (RR), utilizando-se um intervalo de confiança (IC) de 95%. Resultados: A incidência de cardiotoxicidade foi de 17%. Observou-se queda da fração de ejeção do ventrículo esquerdo em 31,3% e 52,2% das pacientes nos grupos human epidermal growth factor receptor-type 2 (HER-2) negativo e positivo, respectivamente. Foram identificados três casos de insuficiência cardíaca, sendo dois em pacientes HER-2 positivas. As pacientes que utilizaram trastuzumabe apresentaram maior risco de desenvolver cardiotoxicidade (RR=3,53; IC 95%: 1,84-6,79) em comparação com as mulheres do grupo HER-2 negativo. Conclusão: Foi possível verificar a ocorrência de casos de cardiotoxicidade em ambos os grupos com maior incidência para o grupo HER-2 positivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2019-11-26

Como Citar

1.
Pina LC de O, Axelband F, Barbosa MF, Silva MJS da. Cardiotoxicidade nas Terapias Neoadjuvante e Adjuvante do Câncer de Mama. Rev. Bras. Cancerol. [Internet]. 26º de novembro de 2019 [citado 22º de janeiro de 2022];65(3):e-08404. Disponível em: https://rbc.inca.gov.br/revista/index.php/revista/article/view/404

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL