Sentidos e Percepções das Mulheres acerca das Práticas Preventivas do Câncer do Colo do Útero: Revisão Integrativa da Literatura

Autores

  • Jeferson Nascimento dos Santos Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Seção de Psicologia. Rio de Janeiro (RJ), Brasil.
  • Rosilene Souza Gomes Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Seção de Psicologia. Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2022v68n2.1632

Palavras-chave:

percepção, neoplasias do colo do útero, teste de Papanicolaou

Resumo

Introdução: O exame do Papanicolaou, caso seja realizado periodicamente, permite identificar alterações celulares que podem evoluir para o câncer. A baixa adesão ao preventivo é uma das causas que transforma o câncer do colo do útero na quarta causa mais frequente de morte de mulheres por câncer no Brasil. As percepções que elas têm sobre preventivo são variadas e podem ter relação direta com a adesão ao exame. Objetivo: Identificar estudos sobre sentidos e percepções das mulheres acerca do exame preventivo do câncer do colo do útero. Método: Revisão integrativa da literatura nas bases de dados do MEDLINE e LILACS, sem delimitação de tempo. Resultados: Os estudos mostraram que as mulheres, em sua maioria, desconhecem o objetivo principal do preventivo, referem medo em relação a um possível diagnóstico de câncer e ao desconforto físico decorrente do exame, além de apresentarem sentimentos como vergonha em expor o próprio corpo, associando à sexualidade. Barreiras institucionais, sociais e a falta de acolhimento por parte do profissional comprometem a adesão da mulher ao exame. Conclusão: As mulheres atribuem sentimentos considerados negativos como vergonha e medo do preventivo, bem como desconhecimento da importância e do objetivo principal do exame, contribuindo para a baixa adesão ao rastreamento. Portanto, torna-se necessário que os profissionais saibam quais são as dúvidas e os receios das mulheres, considerando seus aspectos socioculturais e econômicos, para potencializar o vínculo terapêutico e possibilitar melhor compreensão do significado e da importância do exame.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Soares MC, Mishima SM, Meincke SMK, et al. Câncer de colo uterino: caracterização das mulheres em um município do sul do Brasil. Esc Anna Nery. 2010;14(1):90-6. doi: http://doi.org/10.1590/S1414-81452010000100014 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-81452010000100014

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2020: incidência de câncer no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2019 [acesso 2019 dez 3]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//estimativa-2020-incidencia-de-cancer-no-brasil.pdf

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; [data desconhecida]. Gestor e profissional de saúde: conceito e magnitude; [modificado 2021 jul 5; acesso 2019 dez 20]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/controle-do-cancer-docolo-do-utero/conceito-e-magnitude

Santos FL, Sousa KMO, Camboim FEF, et al. Exame Citológico Papanicolaou: analisando o conhecimento de mulheres na atenção básica. Temas Saúde [Internet]. 2017 [acesso 2019 dez 22];17(1):332-52. Disponível em: https://temasemsaude.com/wp-content/uploads/2017/05/17117.pdf

Albuquerque VR, Miranda RV, Leite CA, et al. Exame preventivo do câncer de colo do útero: conhecimento de mulheres. Rev Enferm UFPE on line [Internet]. 2016 [acesso 2019 dez 23];10(Supl. 5):4208-18. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/11165/12693

Casarin MR, Piccoli JCE. Educação em saúde para prevenção do câncer de colo do útero em mulheres do município de Santo Ângelo/RS. Ciênc Saúde Colet. 2011;16(9):3925-32. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011001000029 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011001000029

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero [Internet]. 2. ed. rev. atual. Rio de Janeiro: INCA; 2016 [acesso 2020 dez 22]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//diretrizesparaorastreamentodocancerdocolodoutero2016 corrigido.pdf

Sousa KR, Miranda MAL. Câncer do colo do útero: percepção das mulheres frente ao exame preventivo. Com Ciências Saúde [Internet]. 2018 [acesso 2020 dez 22];29(3):183-90. Disponível em: https://repositorio.fepecs.edu.br:8080/jspui/bitstream/prefix/141/1/269-Outros-1212-4-10-20190704.pdf

Duavy LM, Batista FLR, Jorge MSB, et al. A percepção da mulher sobre o exame preventivo do câncer cérvico-uterino: estudo de caso. Ciênc Saúde Colet. 2007;12(3):733-42. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000300024 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000300024

Andrade MS, Almeida MMG, Araújo TM, et al. Fatores associados a não adesão ao Papanicolau entre mulheres atendidas pela Estratégia Saúde da Família em Feira de Santana, Bahia, 2010. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(1):111-20. doi: https://doi.org/10.5123/S1679-49742014000100011 DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742014000100011

Iglesias GA, Larrubia LG, Campos Neto AS, et al. Conhecimento e adesão ao Papanicolau de mulheres de uma rede de Atenção Primária à Saúde. Rev Ciênc Méd. 2019;28(1):21-30. doi: https://doi.org/10.24220/2318-0897v28n1a4008 DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v28n1a4008

Batista RPB, Mastroeni MF. Fatores associados à baixa adesão ao exame colpocitológico em mães adolescentes. Acta Paul Enferm. 2012;25(6):879-88. doi: https://doi.org/10.1590/S0103-21002012000600009 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-21002012000600009

Oliveira CMS, Lopes RLM. Prevenção do câncer de colo e participação feminina no viva mulher. Rev Baiana Enferm [Internet]. 2003 [acesso 2020 dez 23];18(1/2):19-28. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/1804/1/3868-9357-1-PB.pdf

Ferreira ML, Oliveira C. Conhecimento e significado para funcionárias de indústrias têxteis sobre prevenção do câncer do colo-uterino e detecção precoce do câncer da mama. Rev Bras Cancerol. 2006;52(1):5-15. doi: https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2006v52n1.1902 DOI: https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2006v52n1.1902

Ressel LB, Stumm KE, Peripolli Rodrigues A, et al. Exame preventivo do câncer de colo uterino: a percepção das mulheres. Av Enferm [Internet]. 2013 [acesso 2021 jun 02];31(2):65-73. Disponível em: https://www.scielo.org.co/pdf/aven/v31n2/v31n2a07.pdf

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo). 2010;8(1 Pt 1):102-6. doi: https://doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134 DOI: https://doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134

Rico AM, Iriart JAB. “Tem mulher, tem preventivo”: sentidos das práticas preventivas do câncer do colo do útero entre mulheres de Salvador, Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2013;29(9):1763-73. doi: https://doi.org/10.1590/0102-311X001465128 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2013001300016

Howson A. Cervical screening, compliance and moral obligation. Sociol Health Illn. 1999;21(4):401-25. doi: https://doi.org/10.1111/1467-9566.00164 DOI: https://doi.org/10.1111/1467-9566.00164

Bush J. “It’s just part of being a woman”: cervical screening, the body and femininity. Soc Sci Med. 2000;50(3):429-44. doi: https://doi.org/10.1016/s0277-9536(99)00316-0 DOI: https://doi.org/10.1016/S0277-9536(99)00316-0

Campos EA, Castro LM, Cavalieri FE. Corpo e significado para um grupo de mulheres que realizaram o Papanicolaou. Rev Pesqui Qual [Internet]. 2017 [acesso 2020 dez 24]:5(8):419-41. Disponível em: https://editora.sepq.org.br/rpq/article/view/120/92

Cirino FMSB, Nichiata LYI, Borges ALV. Conhecimento, atitude e práticas na prevenção do câncer de colo uterino e HPV em adolescentes. Esc Anna Nery. 2010;14(1):126-34. doi: https://doi.org/10.1590/S1414-81452010000100019 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-81452010000100019

Santos AMR, Holanda JBL, Silva JMO, et al. Câncer de colo uterino: conhecimento e comportamento de mulheres para prevenção. Rev Bras Promoç Saúde. 2015;28(2):153-9. doi: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p153 DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p153

Thum M, Heck RM, Soares MC, et al. Câncer de colo uterino: percepção das mulheres sobre prevenção. Cienc Cuid Saude. 2008;7(4):509-16. doi: https://doi.org/10.4025/ciencuidsaude.v7i4.6659 DOI: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v7i4.6659

Dias EG, Santos DDC, Dias ENF, et al. Avaliação do conhecimento em relação à prevenção do câncer do colo uterino entre mulheres de uma unidade de saúde. Rev Epidemiol Control Infect. 2015;5(3):136-40. doi: https://doi.org/10.17058/reci.v5i3.5646 DOI: https://doi.org/10.17058/reci.v5i3.5646

Oliveira MM, Pinto IC. Percepção das usuárias sobre as ações de prevenção do câncer do colo do útero na estratégia saúde da família em uma distrital de saúde do município de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2007;7(1):31-8. doi: https://doi.org/10.1590/S1519-38292007000100004 DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-38292007000100004

Ferreira MLSM. Motivos que influenciam a não realização do exame de Papanicolaou segundo a percepção de mulheres. Esc Anna Nery. 2009:13(2):378-84. doi: https://doi.org/10.1590/S1414-81452009000200020 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-81452009000200020

Amorim T. Prevenção do câncer cérvico-uterino: uma compreensão fenomenológica [dissertação]. Belo Horizonte (MG): Escola de Enfermagem UFMG; 1997.

Barbosa DC, Lima EC. Compreensão das mulheres sobre o câncer de colo do útero e suas formas de prevenção em um município do interior da Bahia, Brasil. Rev APS [Internet]. 2016 [acesso 2020 dez 25];19(4):546-55. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/15734

Campos EA. Os sentidos do Papanicolaou para um grupo de mulheres que realizou a prevenção do câncer cervical. Cad Saúde Colet. 2018;26(2):140-5. doi: https://doi.org/10.1590/1414-462X201800020287 DOI: https://doi.org/10.1590/1414-462x201800020287

Nascimento MI. Estudo de acesso ao exame preventivo do câncer do colo do útero na Baixada Fluminense [dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2011.

Paula TC, Ferreira MLSM, Marin MJS, et al. Detecção precoce e prevenção do câncer de colo uterino: saberes e práticas educativas. Enferm Foco. 2019;10(2):47-51. doi: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n2.1624 DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n2.1624

Acosta DF, Dantas TS, Cazeiro CC, et al. Vivenciando o exame Papanicolau: entre o (não) querer e o fazer. Rev Enferm UFPE [Internet]. 2017 [acesso 2020 dez 25];11(8):3031-8. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/110206/22107

Souza KR, Paixão GPN, Almeida ES, et al. Educação popular como instrumento participativo para a prevenção do câncer ginecológico: percepção de mulheres. Rev Cuid. 2015;6(1):492-9. doi: https://doi.org/10.15649/cuidarte.v6i1.129 DOI: https://doi.org/10.15649/cuidarte.v6i1.129

Meira BC. O Papiloma Virus Humano (HPV) e seus fatores de risco para o câncer de colo de útero [dissertação na Internet]. Belo Horizonte (MG): UFMG; 2013. Disponível: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/6316.pdf

Aguilar RP, Soares DA. Barreiras à realização do exame Papanicolau: perspectivas de usuárias e profissionais da Estratégia de Saúde da Família da cidade de Vitória da Conquista-BA. Physis. 2015;25(2):359-79. doi: https://doi.org/10.1590/S0103-73312015000200003 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312015000200003

Silva SED, Vasconcelos EV, Santana ME, et al. Esse tal Nicolau: representações sociais de mulheres sobre o exame preventivo do câncer cérvico-uterino. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(3):554-60. doi: https://doi.org/10.1590/S0080-62342010000300002 DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-62342010000300002

Carvalho ILN, Nunes RB, Sousa IDB, et al. Exame citopatológico: compreensão de mulheres rurais acerca da finalidade e do acesso. Rev Rene. 2016;17(5):610-7. doi: https://doi.org/10.15253/2175-6783.2016000500005 DOI: https://doi.org/10.15253/2175-6783.2016000500005

Greenwood SA, Machado MFAS, Sampaio NMV. Motivos que levam mulheres a não retornarem para receber o resultado de exame Papanicolau. Rev Latino-Am Enfermagem. 2006;14(4):503-9. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-11692006000400006 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-11692006000400006

Downloads

Publicado

2022-04-19

Como Citar

1.
Santos JN dos, Gomes RS. Sentidos e Percepções das Mulheres acerca das Práticas Preventivas do Câncer do Colo do Útero: Revisão Integrativa da Literatura. Rev. Bras. Cancerol. [Internet]. 19º de abril de 2022 [citado 28º de junho de 2022];68(2):e-031632. Disponível em: https://rbc.inca.gov.br/index.php/revista/article/view/1632

Edição

Seção

REVISÃO DE LITERATURA