Avaliação do Conhecimento de Graduandos em Odontologia sobre Lesões Orais Malignas e Desordens Orais Potencialmente Malignas

Autores

  • Ana Kamila de Souza Santana Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Departamento de Saúde. Feira de Santana (BA), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9161-6921
  • Igor Ferreira Borba de Almeida Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Departamento de Saúde. Feira de Santana (BA), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-8396-7385
  • Ramilly Santos Silva Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Departamento de Saúde. Feira de Santana (BA), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-3420-2837
  • Márcio Campos Oliveira Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Departamento de Saúde. Feira de Santana (BA), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1913-0417

DOI:

https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2024v70n1.4467

Palavras-chave:

Neoplasias Bucais, Detecção Precoce de Câncer, Estudo de Avaliação, Ensino/ estatística & dados numéricos

Resumo

Introdução: As alterações orais potencialmente malignas e o câncer oral, quando diagnosticados precocemente, possuem um bom prognóstico. No entanto, a imprecisão nos atendimentos odontológicos dificulta a detecção precoce, fazendo com que o câncer bucal permaneça como um problema de saúde pública atualmente. Objetivo: Avaliar o conhecimento de graduandos em odontologia sobre lesões orais de câncer e alterações orais potencialmente malignas. Método: Os dados foram coletados por meio de um questionário virtual, enviado para graduandos de odontologia de algumas universidades/faculdades localizadas no Estado da Bahia, entre os meses de junho e outubro de 2022. Posteriormente, os dados foram analisados estatisticamente e quatro conceitos foram estabelecidos: A (ótimo nível de informação); B (bom nível de informação); C (nível insatisfatório de informação); e D (péssimo nível de informação). Resultados: A amostra foi composta por 161 estudantes, a maioria entre 20 e 29 anos e do sexo feminino (78,3%). Não houve uma diferença estatística significativa entre os estudantes com até um ano de aprovação em componentes curriculares de estomatologia, patologia ou correlatos, com discentes com mais de um ano de aprovação (p = 0,126). A leucoplasia foi a alteração mais relacionada ao câncer (77%) para os entrevistados, e apenas 23% dos graduandos obtiveram o conceito A; no entanto, 96,9% dos entrevistados possuem interesse em assistir ao curso de educação contínua sobre o assunto. Conclusão: A maioria dos acadêmicos avaliados apresentou um bom nível de informação, entretanto, observou-se que os fatores de risco e a localização das lesões malignas geraram grandes dúvidas nos participantes deste estudo. Palavras-chave: Neoplasias Bucais; Detecção Precoce de Câncer; Estudo de Avaliação; Ensino/ estatística & dados numéricos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Instituto Nacional de Câncer. Diagnóstico precoce do câncer de boca. Rio de Janeiro: INCA; 2022.

Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2023: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2023.

Almeida IFB, Freitas KS, Almeida DB, et al. Cross- cultural adaptation of a quality of life questionnaire for individuals with oral potentially malignant disorders in the Brazilian context. Acta Odontol Latino am. 2021;34(1):71-80. DOI: https://doi.org/10.54589/aol.34/1/071

Furtado LSFA, Sales JLAM, Fontes NM, et al. Câncer bucal, desordens potencialmente malignas e prevenção: uma revisão integrativa. Rev Fam Ciclos Vida Saúde Contexto Soc. 2019;7(4):479-88. doi: https://doi.org/10.18554/refacs.v7i4.3590 DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v7i4.3590

Virgínio JF, Santos FLP, Oliveira JJM, et al. Percepção dos acadêmicos de odontologia sobre câncer bucal. Arch Health Invest. 2020;9(1):1-5. doi: http://dx.doi.org/10.21270/archi.v9i1.4789 DOI: https://doi.org/10.21270/archi.v9i1.4789

Carvalho JC, Duque ACR. O papel do cirurgião-dentista no diagnóstico precoce do Carcinoma Espinocelular bucal. Braz Jour Heal Rev. 2021;4(5):19555-60. doi: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-088 DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-088

Dib LL. Nível de conhecimento e de atitudes preventivas entre universitários do curso de odontologia em relação ao câncer bucal: Desenvolvimento de um instrumento de avaliação. Acta Oncol Bras. 2004;24(2):628-43.

Harris PA, Taylor R, Thielke R, et al. Conde, research electronic data capture (REDCap) – Uma metodologia orientada por metadados e um processo de fluxo de trabalho para fornecer suporte de informática de pesquisa translacional. J Biomed Inform. 2009;42(2):377-81. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jbi.2008.08.010

Harris PA, Taylor R, Minor BL, et al. REDCap Consortium, the REDCap consortium: construindo uma comunidade internacional de parceiros de software. J Biomed Informa. 2019;95:103208. doi: https://doi.org/10.1016/j.jbi.2019.103208 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jbi.2019.103208

REDCap [Internet]. Versão 13.5.1. Nashville: Vanderbilt University; 2024. [acesso 2024 jun 9]. Disponível em: https://redcap.vanderbilt.edu/

SPSS®: Statistical Package for Social Science (SPSS) [Internet]. Versão 20.0. [Nova York]: International Business Machines Corporation. [acesso 2023 jun 9]. Disponível em: https://www.ibm.com/br-pt/spss?utm_co ntent=SRCWW&p1=Search&p4=4370007751578549 2&p5=p&gclid=CjwKCAjwgZCoBhBnEiwAz35Rwiltb 7s14pOSLocnooMOQh9qAL59IHVc9WP4ixhNTVM jenRp3-aEgxoCubsQAvD_BwE&gclsrc=aw.ds

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 2013 jun 13; Seção I:59.

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução n° 510, de 7 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou de informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana, na forma definida nesta Resolução [Internet]. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 2016 maio 24 [acesso 2023 jun 7]; Seção I:44. Disponível em: http://bvsms.saude.gov. br/bvs/saudelegis/cns/2016/res0510_07_04_2016.html

Santos IV, Alves TDB, Falcão MML, et al. O papel do cirurgião-dentista em relação ao câncer de boca. Odontol Clín-Cient. 2011;10(3):207-10.

Hanahan D. Hallmarks of cancer: new dimensions. Cancer Discov. 2022;12(1):31-46. doi: https://doi. org/10.1158/2159-8290.cd-21-1059 DOI: https://doi.org/10.1158/2159-8290.CD-21-1059

Martins AMEBL, Souza JGS, Haika DS, et al. Prevalence of oral cancer self-examination among elderly people treated under Brazil’s Unified Health System: household health survey. Ciênc saúde coletiva. 2015;20(4):1085-98. doi: https://doi.org/10.1590/1413- 81232015204.00542014 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015204.00542014

Moreira MECC. Autopercepção da saúde bucal e ciência dos fatores de risco paracâncer oral em idosos. Arq Ciênc Saúde. 2017;24(3):14-18 DOI: https://doi.org/10.17696/2318-3691.24.3.2017.482

Baumann E, Koller M, Wiltfang J, et al. Challenges of early detection of oral cancer: raising awareness as a first step to successful campaigning. Health educ res 2016;31(2):136-45. doi: https://doi.org/10.1093/her/cyv099 DOI: https://doi.org/10.1093/her/cyv099

Martins RB, Giovani EM, Villalba H. Lesões cancerizáveis na cavidade bucal. Rev Inst Ciênc Saúde. 2008;26(4):467-76.

Lai M, Pampena R, Cornacchia L, et al. Treatments of actinic cheilitis: a systematic review of the literature. J Am Acad Dermatol. 2020;83(3):876-87. doi: https://doi.org/10.1016/j.jaad.2019.07.106 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jaad.2019.07.106

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2017.

Rodrigues KS, Figueiredo VSA, Abrantes Filho GN, et al. Desordens orais potencialmente malignas: um estudo de prevalência. Rev Cir Traumatol. Buco-Maxilo-Fac. 2018;18(2):6-16.

Rich AM, Hussaini HM, Nizar MAM, et al. Diagnosis of oral potentially malignant disorders: Overview and experience in Oceania. Front Oral Health. 2023;4:1122497. doi: https://doi.org/10.3389/froh.2023.1122497 DOI: https://doi.org/10.3389/froh.2023.1122497

Binda NC, Binda ALC, Pinho RA, et al. Lesões potencialmente malignas da região bucomaxilofacial. Res Soc Development. 2021;10(11):2-7. doi: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i11.19452 DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i11.19452

Muller S, Tilakaratne WM. Update from the 5th edition of the World Health Organization Classification of head and neck tumors: tumours of the oral cavity and mobile tongue. Head Neck Pathol. 2022;16(1):54-62. doi: https://doi.org/10.1007/s12105-021-01402-9 DOI: https://doi.org/10.1007/s12105-021-01402-9

Kogi S, DaSilva J, Mikasa Y, et al. Knowledge and practice of oral cancer screening in teaching faculty-comparison of specialty and year of clinical experience. J Cancer Educ. 2019;34(3):455-62. doi: https://doi.org/10.1007/ s13187-018-1323-y DOI: https://doi.org/10.1007/s13187-018-1323-y

Maia HCM, Pinto NAS, Pereira JS, et al. Lesões orais potencialmente malignas: correlações clínico-patológicas. Rev Einstein. 2016;14(1):35-40. doi: https://doi.org/10.1590/S1679-45082016AO3578 DOI: https://doi.org/10.1590/S1679-45082016AO3578

Oliveira DMA, Dantas MSLC, Silva TSG, et al. Tratamento conservador dos ameloblastomas: revisão de literatura. Braz Jour Devel. 2021;7(12):11456-64. doi: https://doi.org/10.34117/bjdv7n12-281 DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n12-281

Silva LGD, Alves ML, Severo MLB, et al. Lesões orais malignas e potencialmente malignas: percepção de cirurgiões-dentistas e graduandos de odontologia. Rev Bras Cancerol. 2018;64(1):35-43. doi: https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2018v64n1.113 DOI: https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2018v64n1.113

Freitas RM, Rodrigues AMX, Junior AFM, et al. Fatores de risco e principais alterações citopatológicas do câncer bucal: uma revisão de literatura. RBAC. 2016;48(1):13-8.

Albuquerque R, Lopez-Lopez J, Mari-Roig A, et al. Oral tongue squamous cell carcinoma (OTSCC): alcohol and tobacco consumption versus non-consumption. A study in a Portuguese population. Braz Dent J. 2011;22(6):517-21. doi: https://doi.org/10.1590/ S0103-64402011000600013 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-64402011000600013

Dantas DD, Ramos CC, Costa AL, et al. Clinical- pathological parameters in squamous cell carcinoma of the tongue. Braz Dent J. 2003;14(1):22-5. doi: https://doi.org/10.1590/S0103-64402003000100004 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-64402003000100004

Galbiatti ALS, Padovani-Junior JA, Maníglia JV, et al. Head and neck cancer: causes, prevention and treatment. Braz J Otorhinolaryngol. 2013;79(2):239-47. doi: https://doi.org/10.5935/1808-8694.20130041 DOI: https://doi.org/10.5935/1808-8694.20130041

Andrade JOM, Santos CAST, Oliveira MA. Fatores associados ao câncer de boca: um estudo de caso-controle no Nordeste do Brasil. Rev. bras. epidemiol. 2015;18(04). doi: https://doi.org/10.1590/1980-5497201500040017 DOI: https://doi.org/10.1590/1980-5497201500040017

Leite RB, Marinho ACO, Costa BL, et al. The influence of tobacco and alcohol in oral cancer: literature review. J Bras Patol Med Lab. 2021;57:1-5. doi: https://doi.org/10.5935/1676-2444.20210001 DOI: https://doi.org/10.5935/1676-2444.20210001

Ferreira FV, Nedel F, Etges A, et al. Etiologic factors associated with oral squamous cell carcinoma in non- smokers and non-alcoholic drinkers: a brief approach. Braz dent J. 2012;23(5):586-90. doi: https://doi.org/10.1590/s0103-64402012000500020 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-64402012000500020

Moyses RA, López RV, Cury PM, et al. Significant differences in demographic, clinical, and pathological features in relation to smoking and alcohol consumption among 1,633 head and neck cancer patients. Clinics (São Paulo). 2013;68:738-44. doi: https://doi.org/10.6061/clinics/2013(06)03 DOI: https://doi.org/10.6061/clinics/2013(06)03

Santos HPB, Santos TKG, Paz AR, et al. Clinical findings and risk factors to oral squamous cell carcinoma in young patients: a 12-year retrospective analysis. Med Oral Patol Oral Cir Bucal. 2016;21(2):151-6. doi: https://doi.org/10.4317/medoral.20770 DOI: https://doi.org/10.4317/medoral.20770

Dib LL, Souza RS, Tortamano N. Avaliação do conhecimento sobre o câncer bucal entre alunos de odontologia, em diferentes unidades da universidade Paulista. Rev Inst Ciênc Saúde. 2005;23(4)287-95.

Santos GA, Cardoso EMFS, Guedes CCFV. Fatores de risco para câncer bucal. Res. Soc. Development. 2022;11(15). doi: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v11i15.36874 DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v11i15.36874

Barros ATOS, Silva CCC, Santos VCB, et al. Conhecimentos dos cirurgiões-dentistas sobre câncer de boca e orofaringe: uma revisão integrativa. Rev Bras Enferm. 2021;74(1):e20200080. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2020-0080 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2020-0080

Hashim R, Abo-Fanas A, Al-Tak A, et al. Early Detection of Oral Cancer- Dentists’ Knowledge and Practices in the United Arab Emirates. Asian Pac J Cancer Prev. 2018; 19(8):2351-5. doi: https://doi.org/10.22034/apjcp.2018.19.8.2351

Conselho Nacional De Educação. Resolução CNE/CES 3 de 19 de fevereiro de 2002. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em odontologia. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 2002 mar 4; Seção I:10.

Barros GIS, Casotti E, Gouvêa MV. Câncer de boca: o desafio da abordagem por dentistas. Rev enferm UFPE. 2017;11(11):4273-9. DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v11i12a231284p5312-5320-2017

Publicado

2024-02-27

Como Citar

1.
Santana AK de S, Almeida IFB de, Silva RS, Oliveira MC. Avaliação do Conhecimento de Graduandos em Odontologia sobre Lesões Orais Malignas e Desordens Orais Potencialmente Malignas. Rev. Bras. Cancerol. [Internet]. 27º de fevereiro de 2024 [citado 19º de abril de 2024];70(1):e-034467. Disponível em: https://rbc.inca.gov.br/index.php/revista/article/view/4467

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL