Correlação da Velocidade da Marcha com Força de Preensão Palmar de Pacientes em Tratamento Oncológico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2024v70n2.4512

Palavras-chave:

Análise da Marcha/estatística & dados numéricos, Força da Mão, Oncologia/estatística & dados numéricos

Resumo

Introdução: Estudo observacional transversal analítico realizado nos serviços públicos e privados de tratamento. Objetivo: Correlacionar a velocidade da marcha com a força de preensão palmar em pacientes em tratamento com quimioterápicos ou imunoterápicos. Método: Participaram desta pesquisa todos os pacientes com cânceres sólidos em tratamento com quimioterápicos ou imunoterápicos no período da coleta de dados. Para avaliação da velocidade da marcha, foi realizado o teste de velocidade da marcha dos quatro metros (VM4M). Em seguida, foi realizada avaliação da força muscular de preensão manual, por meio do dinamômetro Jamar. A análise estatística dos dados foi feita por meio da análise descritiva e para verificar a correlação foram utilizados métodos paramétricos de Spearman e Kendall. Resultados: A amostra foi composta por 86 voluntários, sendo 53,5% mulheres e 46,5% homens. A idade mínima coletada no estudo foi de 21 anos e a máxima de 84 anos. A idade média dos participantes foi de 56,5 anos. Quanto aos tratamentos realizados, 31,4%, imunoterapia, 22,1%, quimioterapia. Em relação à velocidade da marcha, a média da população foi de 1,42 m/s e 98,8% não apresentaram lentidão de marcha e em relação à força de preensão palmar da população, a média da mão direita foi de 56,67 e da mão esquerda, 55,31, não apresentando diminuição da força da preensão palmar. Conclusão: A correlação entre velocidade da marcha e força de preensão palmar se mostrou moderada com p da mão direita = 0,502; p da mão esquerda = 0,491, de acordo com Spearman.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Silva CC, Souza GFP, Sales CM. Cinesioterapia como recurso terapêutico nas alterações físico funcionais em pacientes oncológicos. Rev Cient Fac Educ e Meio Ambient. 2022;13(edespjmcpc):1-4. doi: http://dx.doi.org/10.31072

Cristina K, Costa K, Miranda EB, et al. A qualidade de vida dos pacientes oncológicos durante a quimioterapia. Res Soc Develop. 2022;11(15):e343111537282. doi: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v11i15.37282 DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v11i15.37282

Avelar NCP, Dotto TC. Valores de referência para a velocidade de marcha em idosos comunitários [Internet]. Araranguá: Universidade Federal de Santa Catarina; 2022. [acesso 2024 jan 16]. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/237618

Guedes RC, Dias RC, Neri AL, et al. Declínio da velocidade da marcha e desfechos de saúde em idosos: dados da Rede Fibra. Fisio Pesq. 2019;26(3):304-10. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-2950/18036026032019

Santos AO, Soares TJS, Guimarães AR, et al. Velocidade de marcha e reinternação hospitalar após cirurgia de revascularização do miocárdio. Rev Bras Fisiol Exerc. 2022;21(2):92-10. doi: https://doi.org/10.33233/rbfex.v21i2.5183 DOI: https://doi.org/10.33233/rbfex.v21i2.5183

Miranda BLG, Ferreira TMS, Sousa IN, et al. Comparação entre parâmetros de avaliação do estado nutricional e força de preensão palmar em indivíduos com tumores sólidos e hematológicos. REAS. 2022;15(2):e9642. doi: https://doi.org/10.25248/reas.e9642.2022 DOI: https://doi.org/10.25248/reas.e9642.2022

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 2013 jun 13; Seção I:59.

Schlüssel M, Antonio L, Anjos, Kac G. A dinamometria manual e seu uso na avaliação nutricional. Rev Nutr. 2008 [Internet];21(2):223-35. [acesso 2024 jan 16]. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rn/a/nqxkhm5bdmfzTdxfwDQpQvq/?format=pdf DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-52732008000200009

Ordan MA, Mazza C, Barbe C, et al. Feasibility of systematic handgrip strength testing in digestive cancer patients treated with chemotherapy: The FIGHTDIGO study. Cancer. 2018;124(7):1501-6. DOI: https://doi.org/10.1002/cncr.31207

Bohannon RW, Peolsson A, Massy-Westropp N, et al. Reference values for adult grip strength measured with a Jamar dynamometer: a descriptive metaanalysis. Physiotherapy. 2006;92:11-15. DOI: https://doi.org/10.1016/j.physio.2005.05.003

Kon SSC, Patel MS, Canavan JL, et al. Reliability and validity of 4-metre gait speed in COPD. Europ Resp J. 2013[acesso 2022 nov 10];42(2):333-40. Disponível em: https://erj.ersjournals.com/content/42/2/333 DOI: https://doi.org/10.1183/09031936.00162712

Mukaka MM. Statistics corner: A guide to appropriate use of correlation coefficient in medical research. Malawi Med J. 2012;24(3):69-71.

R: The R Project for Statistical Computing [Internet]. Versão 4.0.4. [lugar desconhecido]: The R foundation. 2021 Fev 15 - [acesso 2023 nov 9]. Disponível em: https://www.R-project.org

Nagamatsu A, Kawaguchi T, Hirota K, et al. Slow walking speed overlapped with low handgrip strength in chronic liver disease patients with hepatocellular carcinoma. Hepatol Res. 2019;49(12):1427-40. doi: https://doi.org/10.1111/hepr.13405 DOI: https://doi.org/10.1111/hepr.13405

Wieczorek ME, Souza CM, Klahr PS, et al. Análise da associação entre força de preensão manual e funcionalidade em pessoas idosas da comunidade. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2020;23(3):e200214. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1981-22562020023.200214 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-22562020023.200214

Barbalho ER. Massa muscular e função física em idosos com câncer gastrointestinal. [Dissertação na Internet]. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2019. [acesso 2024 jan 16]. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/bitstream/123456789/27021/1/Massamuscularfun%C3%A7%C3%A3o_Barbalho_2019.pdf

Pamoukdjian F, Paillaud E, Zelek L, et al. Measurement of gait speed in older adults to identify complications associated with frailty: a systematic review. J geriatric oncology. 2015;6(6):484-96. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jgo.2015.08.006

Zhuang C, Zhang F, Li W, et al. Associations of low handgrip strength with cancer mortality: a multicentre observational study. J. cachexia sarcopenia muscle. 2020;11(6):1476-86. DOI: https://doi.org/10.1002/jcsm.12614

Publicado

2024-05-15

Como Citar

1.
Kessler RMG, Reinert B, Duprat Neto JP. Correlação da Velocidade da Marcha com Força de Preensão Palmar de Pacientes em Tratamento Oncológico. Rev. Bras. Cancerol. [Internet]. 15º de maio de 2024 [citado 21º de maio de 2024];70(2):e-034512. Disponível em: https://rbc.inca.gov.br/index.php/revista/article/view/4512

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL