Comunidade Compassiva das Favelas da Rocinha e Vidigal: Estratégia para Auxílio no Controle do Câncer

Autores

  • Alexandre Ernesto Silva Universidade Federal São João Del Rei (UFSJ). São João Del Rei (MG), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9988-144X
  • Cintia Maia Prates Instituto Nacional de Câncer (INCA), Hospital do Câncer IV (HC IV), Unidade de Cuidados Paliativos. Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0009-0002-6387-6002
  • Luciana da Silva Couto Instituto Nacional de Câncer (INCA), Hospital do Câncer IV (HC IV), Unidade de Cuidados Paliativos. Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0009-0006-2870-567X
  • Livia Costa Oliveira Instituto Nacional de Câncer (INCA), Hospital do Câncer IV (HC IV), Unidade de Cuidados Paliativos. Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5052-1846

DOI:

https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2024v70n2.4714

Palavras-chave:

Cuidados Paliativo, Neoplasias/epidemiologia, Comunidades Compassiva

Resumo

É crescente o entendimento acerca da necessidade de integração precoce do cuidado paliativo no contexto da oncologia, o que poderia contribuir para a melhoria dos desfechos clínicos e a promoção de qualidade de vida do número cada vez maior de pacientes que vivem e morrem com a doença. O controle efetivo de sintomas é peça-chave para obtenção de um cuidado eficaz a esses pacientes, promovendo qualidade de vida, reduzindo efeitos deletérios da doença e devolvendo funcionalidade pelo maior tempo possível. Em meio ao cenário de sofrimento e precariedade dos pacientes residentes das favelas da Rocinha e Vidigal, no Rio de Janeiro, a Favela Compassiva surge como uma força motriz aliada à saúde pública e aos próprios moradores locais, para oferecer qualidade de vida e morte digna a pacientes com câncer e outras doenças ameaçadoras da vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bray F, Laversanne M, Sung H, et al. Global cancer statistics 2022: GLOBOCAN estimates of incidence and mortality worldwide for 36 cancers in 185 countries. CA Cancer J Clin. 2024;74(3):229-63. doi: https://doi.org/10.3322/caac.21834 DOI: https://doi.org/10.3322/caac.21834

Duarte IV, Fernandes KF, Freitas SC. Cuidados paliativos domiciliares: considerações sobre o papel do cuidador familiar. Rev SBPH. 2013;16(2):73-88. DOI: https://doi.org/10.57167/Rev-SBPH.16.326

World Health Organization. National cancer control programmes: policies and managerial guidelines. 2. ed. Geneva: WHO; 2002. [acesso 2023 out 1]. Disponível em: https://www.who.int/publications/i/item/national-cancer-control-programmes

Radbruch L, Lima L, Knaul F, et al. Redefining Palliative Care-A New Consensus-Based Definition. J Pain Symptom Manage. 2020;60(4):754-64. doi: https://doi.org/10.1016/j.jpainsymman.2020.04.027 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jpainsymman.2020.04.027

Abel J, Kellehear A, Karapliagou A. Palliative care - the new essentials. Ann Palliat Med. 2018;7(Supl 2):S3-S14. doi: https://doi.org/10.21037/apm.2018.03.04 DOI: https://doi.org/10.21037/apm.2018.03.04

Kellehear A. Comunidades compassivas: cuidados de fim de vida como responsabilidade de todos. QJM. 2013;106(12):1071-5. doi: https://doi.org/10.1093/qjmed/hct200 DOI: https://doi.org/10.1093/qjmed/hct200

World Health Organization. Regional Office for Europe. Ottawa Charter for Health Promotion, 1986. [Genebra]: WHO Regional Office for Europe; 1986.[acesso 2024 fev 3]. Disponível em: https://iris.who.int/handle/10665/349652

Roleston C, Shaw R, West K. Compassionate communities interventions: a scoping review. Ann Palliat Med. 2023;12(5):936-51. doi: https://doi.org/10.21037/apm-22-867 DOI: https://doi.org/10.21037/apm-22-867

Silva AE, Coelho FBP, Pereira FMS, et al. Cuidados paliativos em favelas no Brasil: uma revisão integrativa. RSD. 2021;10(6):e55110616183. doi: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.16183 DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.16183

Mesquita MGR, Silva AE, Coelho LP, et al. Slum compassionate community: expanding access to palliative care in Brazil. Rev Esc Enferm USP. 2023;57:e20220432. doi: https://doi.org/10.1590/1980-220X-REEUSP-2022-0432en DOI: https://doi.org/10.1590/1980-220x-reeusp-2022-0432pt

Catão MÓ. A exclusão social e as favelas na cidade do Rio de. Rev Dir da Cid. 2015;7(3):1002-45. doi: https://doi.org/10.12957/rdc.2015.18839 DOI: https://doi.org/10.12957/rdc.2015.18839

Fialho S. Comunidade compassiva: uma estratégia empoderadora da promoção da saúde. Relatório de estágio. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa; 2020.

Vasconcelos GB, Pereira PM. Cuidados paliativos em atenção domiciliar: uma revisão bibliográfica. Rev Adm Saúde. 2018;18(70). doi: http://dx.doi.org/10.23973/ras.70.85 DOI: https://doi.org/10.23973/ras.70.85

Publicado

2024-05-21

Como Citar

1.
Silva AE, Prates CM, Couto L da S, Oliveira LC. Comunidade Compassiva das Favelas da Rocinha e Vidigal: Estratégia para Auxílio no Controle do Câncer. Rev. Bras. Cancerol. [Internet]. 21º de maio de 2024 [citado 13º de junho de 2024];70(2):e-104714. Disponível em: https://rbc.inca.gov.br/index.php/revista/article/view/4714

Edição

Seção

ARTIGOS DE OPINIÃO