Lipossarcoma Bem Diferenciado do Retroperitônio com Desdiferenciação e Múltiplas Recidivas: Relato de Caso

Autores

  • Ivna Silva Gonçalves Instituto do Câncer do Ceará (ICC), Hospital Haroldo Juaçaba (HHJ). Fortaleza (CE), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1144-4614
  • Davi Teixeira de Macêdo Universidade Federal do Ceará (UFC), Faculdade de Medicina. Fortaleza (CE), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4193-7700
  • Iasmin Maria Rodrigues Saldanha Universidade Federal do Ceará (UFC), Faculdade de Medicina. Fortaleza (CE), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-3719-8175
  • Lívia Fernandes e Silva Universidade Federal do Ceará (UFC), Faculdade de Medicina. Fortaleza (CE), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2035-2287
  • Paulo Henrique Silva Nunes Universidade Federal do Ceará (UFC), Faculdade de Medicina. Fortaleza (CE), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9591-1012
  • Gunter Gerson Universidade Federal do Ceará (UFC), Hospital Universitário Walter Cantídio. Fortaleza (CE), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9054-253X
  • Marcelo Leite Vieira Costa Universidade Federal do Ceará (UFC), Hospital Universitário Walter Cantídio. Fortaleza (CE), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1343-4292
  • Irapuan Teles de Araújo Filho Universidade Federal do Ceará (UFC), Hospital Universitário Walter Cantídio. Fortaleza (CE), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-8935-7994

DOI:

https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2023v69n3.3626

Palavras-chave:

lipossarcoma, neoplasias retroperitoneais, recidiva, desdiferenciação celular, oncologia cirúrgica

Resumo

Introdução: Os lipossarcomas retroperitoneais são neoplasias mesenquimais raras, sendo mais comuns os bem diferenciados e os desdiferenciados. O subtipo bem diferenciado pode sofrer desdiferenciação para tumores de maior grau. São neoplasias difíceis de tratar cirurgicamente, pois apresentam altas taxas de recorrência local, alguns subtipos podem metastizar e são pouco sensíveis à radioterapia e à quimioterapia. Relato do caso: Paciente feminina, 45 anos, apresentou dor abdominal e massa abdominal palpável em 2017. Foi submetida à ressecção de lipossarcoma bem diferenciado de retroperitônio, sem intercorrências. Em 2020, manifestou dor abdominal e perda ponderal. A tomografia mostrou múltiplas massas volumosas abdominais, com biópsia sugestiva de lipossarcoma desdiferenciado. Foi submetida à radioterapia neoadjuvante e, em seguida, à ressecção cirúrgica das massas e ileocolectomia direita. Em 2022, apresentou quadro sugestivo de obstrução intestinal, sendo submetida à laparotomia que evidenciou intenso bloqueio de alças intestinais, fístula duodenal, tumor retroperitonial e peritonite fecal. Procedeu-se à ressecção de neoplasia retroperitoneal, ileostomia e rafia de fístula. O histopatológico mostrou lipossarcoma desdiferenciado recidivado. A paciente evoluiu com complicações operatórias e infecciosas, necessitando de cuidados intensivos e antibioticoterapia. Após melhora clínica, recebeu alta com dieta enteral e segue em acompanhamento ambulatorial. Conclusão: O lipossarcoma de retroperitônio pode sofrer desdiferenciação, recidivas multifocais e múltiplas recorrências, necessitando de várias abordagens cirúrgicas, o que aumenta a morbidade e o risco de complicações. A cirurgia com margens amplas continua sendo a principal modalidade terapêutica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Haddox CL, Riedel RF. Recent advances in the understanding and management of liposarcoma. Fac Rev. 2021;10:1. doi: https://doi.org/10.12703/r/10-1 DOI: https://doi.org/10.12703/r/10-1

Matthyssens LE, Creytens D, Ceelen WP. Retroperitoneal liposarcoma: current insights in diagnosis and treatment. Front Surg. 2015;2:4. doi: https://doi.org/10.3389/fsurg.2015.00004 DOI: https://doi.org/10.3389/fsurg.2015.00004

Chamberlain F, Benson C, Thway K, et al. Pharmacotherapy for liposarcoma: current and emerging synthetic treatments. Future Oncol. 2021;17(20):2659-70. doi: https://doi.org/10.2217/fon-2020-1092 DOI: https://doi.org/10.2217/fon-2020-1092

Tyler R, Wanigasooriya K, Taniere P, et al. A review of retroperitoneal liposarcoma genomics. Cancer Treat Rev. 2020;86:102013. doi: https://doi.org/10.1016/j.ctrv.2020.102013 DOI: https://doi.org/10.1016/j.ctrv.2020.102013

Mack T, Purgina B. Updates in pathology for retroperitoneal soft tissue sarcoma. Curr Oncol. 2022;29(9):6400-18. doi: https://doi.org/10.3390/curroncol29090504 DOI: https://doi.org/10.3390/curroncol29090504

Bagaria SP, Gabriel E, Mann GN. Multiply recurrent retroperitoneal liposarcoma. J Surg Oncol. 2018;117(1):62-8. doi: https://doi.org/10.1002/jso.24929 DOI: https://doi.org/10.1002/jso.24929

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 2013 jun 13; Seção 1:59.

Mansfield SA, Pollock RE, Grignol VP. Surgery for abdominal well-differentiated liposarcoma. Curr Treat Options Oncol. 2018;19(1):1. doi: https://doi.org/10.1007/s11864-018-0520-6 DOI: https://doi.org/10.1007/s11864-018-0520-6

Nishio J, Nakayama S, Nabeshima K, et al. Biology and management of dedifferentiated liposarcoma: state of the art and perspectives. J Clin Med. 2021;10(15):3230. doi: https://doi.org/10.3390/jcm10153230 DOI: https://doi.org/10.3390/jcm10153230

Crago AM, Dickson MA. Liposarcoma: multimodality management and future targeted therapies. Surg Oncol Clin N Am. 2016;25(4):761-73. doi: https://doi.org/10.1016/j.soc.2016.05.007 DOI: https://doi.org/10.1016/j.soc.2016.05.007

Downloads

Publicado

2023-07-14

Como Citar

1.
Gonçalves IS, Macêdo DT de, Saldanha IMR, Silva LF e, Nunes PHS, Gerson G, Costa MLV, Araújo Filho IT de. Lipossarcoma Bem Diferenciado do Retroperitônio com Desdiferenciação e Múltiplas Recidivas: Relato de Caso. Rev. Bras. Cancerol. [Internet]. 14º de julho de 2023 [citado 30º de setembro de 2023];69(3):e-093626. Disponível em: https://rbc.inca.gov.br/index.php/revista/article/view/3626

Edição

Seção

RELATO DE CASO

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)