Construção de um Instrumento para Avaliação do Conhecimento sobre Ferida Neoplásica Maligna

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2022v68n1.1377

Palavras-chave:

enfermagem oncológica, cicatrização, ferimentos e lesões, cuidados paliativos, neoplasias

Resumo

Introdução: Feridas neoplásicas malignas (FNM), também denominadas de lesões oncológicas, tumorais ou fungoides, ocorrem pela infiltração das células malignas do tumor nas estruturas da pele. Objetivo: Construir e validar um questionário para avaliar o conhecimento do enfermeiro especialista em Oncologia sobre o cuidado com o paciente portador de FNM. Método: Estudo transversal, com abordagem quantitativa, dividido em duas etapas. A etapa 1 consiste na elaboração do questionário e a etapa 2 compreende a validação. Resultados: Todos os 11 especialistas convidados aceitaram participar do estudo, sendo realizada a classificação segundo critérios propostos no processo de elaboração e validação, mostrando pontuação média de 11. Entre os especialistas, 18,18% eram estomaterapeutas, 18,18% mestres, 54,55% doutores e 9,09% pós-doutores. Foi elaborado um questionário contendo 18 questões de múltipla escolha com quatro opções de respostas abrangendo os seguintes temas: incidência, definição, processo de oncogênese e FNM, características e sintomatologia, estadiamento, tratamento e intervenções de enfermagem, intervenções básicas e específicas no manejo da FNM, proteção da pele periferida e especificidade da FNM comparada a feridas de outras etiologias. A validação foi realizada por meio do índice de concordância entre os avaliadores usando o coeficiente de Kendall, com resultado geral igual a 0,0941, indicando um bom grau de concordância. Conclusão: O presente estudo contribui para a área de Enfermagem Oncológica tanto no que tange às instituições de ensino que possuem o programa de pós-graduação em Oncologia como às instituições de saúde com o intuito de direcionar o desenvolvimento de programas de educação permanente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. ABC do câncer: abordagens básicas para o controle do câncer [Internet]. 6. ed. rev. atual. Rio de Janeiro: INCA; 2020 [acesso 2021 dec 22]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//livro-abc-6-edicao-2020.pdf

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2020: incidência de câncer no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2019 [acesso 2020 ago 12]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//estimativa-2020-incidencia-de-cancer-no-brasil.pdf

Souza MAO, Souza NR, Melo JTS, et al. Escalas de avaliação de odor em feridas neoplásicas: uma revisão integrativa. Rev Bras Enferm. 2018;71(5):2552-60. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0428

Matsubara MGS. Feridas neoplásicas. In: Matsubara MGS, Villela DL, Hashimoto SY, et al. Feridas e estomas em oncologia: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Lemar; 2012. p. 33-46.

Agra G, Medeiros MVS, Brito DTF, et al. Conhecimento e prática de enfermeiros no cuidado a pacientes com feridas tumorais malignas. Rev Cuid. 2017;8(3):1849-62. doi: http://doi.org/10.15649/cuidarte.v8i3.441

Gozzo TO, Tahan FP, Andrade M, et al. Ocorrência e manejo de feridas neoplásicas em mulheres com câncer de mama avançado. Esc. Anna Nery. 2014;18(2):270-6. doi: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20140039

Agra G, Costa MML. Feridas neoplásicas. In: Campos MGCA, Souza ATO, Vasconcelos JMB, et al., organizadoras. Feridas complexas e estomias: aspectos preventivos e manejo clínico. João Pessoa, PB: Ideia; 2016. p. 302-20.

Azevedo IC, Costa RKS, Holanda CSM, et al. Conhecimento de enfermeiros da estratégia saúde da família sobre avaliação e tratamento de feridas oncológicas. Rev Bras Cancerol. 2014;60(2):119-27. doi: https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2014v60n2.476

Fehring RJ. The Fehring model. In: Carrol-Jonhnson RM, Paquette M, editors. Classification of nursing diagnoses: proceedings of the tenth conference. Philadelphia: Limppincott; c1994. p. 55-62.

Fehring RJ. Methods to validate nursing diagnoses [Internet]. [place unknown]: e-Publications@Marquette; 1987 Jan 11 [cited 2019 Apr 12]. Available from: https://epublications.marquette.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1026&context=nursing_fac

Marques JBV, Freitas D. Método DELPHI: caracterização e potencialidades na pesquisa em Educação. Pro-Posições 29. 2018;29(2):389-415. doi: https://doi.org/10.1590/1980-6248-2015-0140

Antunes MM. Técnica Delphi: metodologia para pesquisas em educação no Brasil. Rev Educ PUC-Camp [Internet]. 2014 [acesso 2019 abr 24];19(01):63-71. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/ article/view/2616/1894

Baker MJ, organizador. Administração de marketing. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2005.

Beaton DE, Bombardier C, Guillemin F, et al. Guidelines for the process of cross-cultural adaptation of self-report measures. Spine (Phila Pa 1976). 2000;25(24):3186-91. doi: https://doi.org/10.1097/00007632-200012150-00014

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou de informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana, na forma definida nesta Resolução. Diário Oficial da União. 2016 maio 24; Edição 98, Seção I:44.

Coluci MZO, Alexandre NMC, Milani D. Construção de instrumentos de medida na área da saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(3):925-36. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232015203.04332013

Chaer G, Diniz RRP, Ribeiro EA. A técnica do questionário na pesquisa educacional. Evidência [Internet]. 2011 [acesso 2021 jun 12];7(7):251-66. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/maio2013/sociologia_artigos/pesqusia_social.pdf

Prodanov CC, Freitas EC. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo, RS: Feevale; 2013.

Mendes KGL. A participação das enfermeiras na gestão de custos em organizações hospitalares [tese na Internet]. São Paulo: Escola de Enfermagem; 2011 [acesso 2019 abr 11]. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7140/tde-03102011-092928/pt-br.php

Lima-Rodríguez JS, Lima-Serrano M, Jiménez-Picón N, et al. Validação de conteúdo da escala de auto-percepção do estado da saúde familiar utilizando a técnica Delphi. Rev Latino-Am Enfermagem. 2013;21(2):595-603. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-11692013000200017

Mattar FN. Pesquisa de marketing. 6. ed. São Paulo: Atlas; 2005.

Nicole AG, Tronchin DMR. Indicadores para avaliação do acesso vascular de usuários em hemodiálise. Rev Esc Enferm. 2011;45(1):206-14. doi: https://doi.org/10.1590/S0080-62342011000100029

Carillo de Gea JMC, Fernández-Alemán JL, Sánchez Garcia AB. Computer-based nursing education: an integrative review of empirical studies. J Nurs Educ Pract. 2012;2(3):162-72. doi: https://doi.org/10.5430/jnep.v2n3p162

Galdeano LE, Rossi LA. Validação de conteúdo diagnóstico: critérios para seleção de expertos. Ciênc Cuid Saúde. 2006;5(1):60-6. doi: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v5i1.5112

Dorigan GH, Guirardello EB. Tradução e adaptação cultural do Newcastle Satisfaction with Nursing Scales para a cultura brasileira. Rev Esc Enferm. 2013;47(3):562-8. doi: https://doi.org/10.1590/S0080-623420130000300006

Gonçalves MCS, Brandão MAG, Duran ECM. Validação das características definidoras do diagnóstico de enfermagem conforto prejudicado em oncologia. Acta Paul Enferm. 2016;29(1):115-24. doi: https://doi.org/10.1590/1982-0194201600016

Pompeo DA, Rossi LA, Paiva L. Validação de conteúdo do diagnóstico de enfermagem náusea. Rev Esc Enferm. 2014;48(1):49-57 doi: https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000100006

Siegel S, Castellan NJ Jr. Estatística não paramétrica para ciências do comportamento. 2. ed. São Paulo: Bookman; 2006.

Schmidt FMQ, Firmino F, Lenza NFB, et al. Conhecimento da equipe de enfermagem sobre cuidados com pacientes com feridas neoplásicas. Rev Bras Enferm. 2020;73(1):e20170738. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0738

Brito KKG, Sousa MJ, Sousa ATO, et al. Chronic injuries: nursing approach in the post graduate scientific production. J Nurs UFPE On Line. 2013;7(2):414-21. doi: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v7i2a10250p414-421-2013

Publicado

2022-01-05

Como Citar

1.
Bernardino L de L, Matsubara M das GS. Construção de um Instrumento para Avaliação do Conhecimento sobre Ferida Neoplásica Maligna. Rev. Bras. Cancerol. [Internet]. 5º de janeiro de 2022 [citado 30º de setembro de 2022];68(1):e-061377. Disponível em: https://rbc.inca.gov.br/index.php/revista/article/view/1377

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)