Perfil das Pacientes com Câncer do Colo do Útero no Brasil, 2000-2009: Estudo de Base Secundária

Autores

  • Luiz Claudio Santos Thuler Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2550-6537
  • Anke Bergmann Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM). Rio de Janeiro (RJ), Brasil.
  • Letícia Casado Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2012v58n3.583

Palavras-chave:

Neoplasias do Colo do Útero/epidemiologia, Neoplasias do Colo do Útero/prevenção & controle, Registros Hospitalares, Epidemiologia Descritiva, Estudos Observacionais, Brasil/epidemiologia

Resumo

Introdução: O controle do câncer do colo do útero foi definido como prioridade nas políticas públicas de saúde no Brasil, devido à sua alta incidência, morbidade e mortalidade. Objetivo: Descrever as características demográficas e clínicas da população com câncer do colo do útero no país, diagnosticada no período de 2000 a 2009. Método: Estudo observacional dos casos analíticos de câncer do colo do útero inseridos no Módulo Integrador dos Registros Hospitalares de Câncer e no Registro Hospitalar de Câncer do Estado de São Paulo. Foi realizada análise descritiva das variáveis. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do INCA sob o número 128/11. Resultados: Foram incluídos 77.317 casos. O número de casos e a distribuição proporcional dos estadiamentos foram semelhantes nos dois quinquênios analisados (2000-2004 versus 2005-2009). A média de idade ao diagnóstico foi de 49,2 anos (55,3% tinham menos de 50 anos), com predomínio de mulheres de cor parda (47,9%), com ensino fundamental incompleto (49,0%) e casadas (51,5%). O estadiamento III foi o mais frequente (29,0%) e na maioria dos casos o tipo histológico foi carcinoma (91,3%). Ao final do primeiro tratamento, 48,9% encontravam-se sem evidência de doença ou em remissão completa. Conclusão: No Brasil, mulheres com diagnóstico de câncer do colo do útero diagnosticadas entre 2000 e 2009 eram em sua maioria jovens, de cor parda, com baixa escolaridade, casadas, apresentaram estadiamento avançado ao diagnóstico e evoluíram sem evidência de doença ou para remissão completa ao final do primeiro tratamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-09-28

Como Citar

1.
Thuler LCS, Bergmann A, Casado L. Perfil das Pacientes com Câncer do Colo do Útero no Brasil, 2000-2009: Estudo de Base Secundária. Rev. Bras. Cancerol. [Internet]. 28º de setembro de 2012 [citado 8º de dezembro de 2023];58(3):351-7. Disponível em: https://rbc.inca.gov.br/index.php/revista/article/view/583

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 > >>