Fatores Associados ao Atraso entre o Diagnóstico e o Início do Tratamento de Câncer de Mama: um Estudo de Coorte com 204.130 Casos no Brasil

Autores

  • Giselle Coutinho de Medeiros Coordenação de Pesquisa Clínica do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4924-866X
  • Clarice Gomes Chagas Teodózio Coordenação de Pesquisa Clínica do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7029-2198
  • Erica Alves Nogueira Fabro Coordenação de Pesquisa Clínica do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-0959-7678
  • Suzana Sales de Aguiar Coordenação de Pesquisa Clínica do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-1963-1294
  • Artur Henrique Machado Lopes Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Campina Grande (PB), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2923-9595
  • Bárbara Cordeiro de Conte Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Campus Macaé. Macaé (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9022-1848
  • Erisvan Vieira da Silva Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Santa Maria (RS), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5103-7135
  • Lyssandra Luiza Pestana Coelho Universidade Federal do Maranhão (UFMA). São Luís (MA), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9654-7999
  • Nitza Ferreira Muniz Universidade Estadual do Paraná (Unespar). Campus de Paranavaí. Paranavaí (PR), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7170-3315
  • Sara Isabel Pimentel de Carvalho Schuab Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Campus Maruípe. Vitória (ES), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-8372-325X
  • Anke Bergmann Coordenação de Pesquisa Clínica do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1972-8777
  • Luiz Claudio Santos Thuler Coordenação de Pesquisa Clínica do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2550-6537

DOI:

https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2020v66n3.979

Palavras-chave:

Neoplasias da Mama/diagnóstico, Tempo para o Tratamento, Fatores de Risco, Registros Hospitalares

Resumo

Introdução: O câncer de mama e considerado um problema de saúde publica, tendo crescente incidência mundial. Diversos fatores contribuem para o diagnostico tardio e dificultam o inicio do tratamento, repercutindo em um pior prognostico. Objetivos: Analisar o intervalo de tempo entre o diagnostico e o inicio do primeiro tratamento oncológico na população brasileira, além de avaliar os fatores associados aos maiores intervalos. Método: Trata-se de um estudo de coorte retrospectivo com 540.529 pacientes cadastrados no Sistema de Registros Hospitalares de Câncer (SisRHC) no período de 2000 a 2017. Utilizou-se como desfecho o intervalo de tempo entre o diagnostico e o inicio do primeiro tratamento oncológico, considerando-se como atraso o intervalo maior do que 60 dias. Para analise das variáveis, foram realizadas analise descritiva e regressão logística simples (IC95%; p<0,05). Resultados: Foram analisados 204.130 casos que apresentaram media de idade de 55,8 anos (±13,24), sendo predominantemente do sexo feminino (99,1%), 55,1% eram da Região Sudeste e 71,4% residiam em cidades não capitais. A mediana do intervalo de tempo entre o diagnostico e o inicio do primeiro tratamento oncológico foi de 63 dias (variação interquartil = 36-109). As variáveis sociodemográficas, clinicas e relacionadas ao tratamento mostraram impacto no intervalo de tempo, com exceção da variável sexo. Conclusão: O tempo entre o diagnostico e o inicio do primeiro tratamento oncológico foi elevado. Fatores sociodemográficos, clínicos e relacionados ao tratamento influenciam nos intervalos de tempo. Identifica-los precocemente pode contribuir para o direcionamento de ações a esses grupos mais vulneráveis ao atraso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2020-08-06

Como Citar

1.
Coutinho de Medeiros G, Gomes Chagas Teodózio C, Alves Nogueira Fabro E, Sales de Aguiar S, Henrique Machado Lopes A, Cordeiro de Conte B, Vieira da Silva E, Pestana Coelho LL, Ferreira Muniz N, Pimentel de Carvalho Schuab SI, Bergmann A, Santos Thuler LC. Fatores Associados ao Atraso entre o Diagnóstico e o Início do Tratamento de Câncer de Mama: um Estudo de Coorte com 204.130 Casos no Brasil. Rev. Bras. Cancerol. [Internet]. 6º de agosto de 2020 [citado 28º de novembro de 2022];66(3):e-09979. Disponível em: https://rbc.inca.gov.br/index.php/revista/article/view/979

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>