O Impacto do Diagnóstico nas Condições Socioeconômicas das Famílias de Crianças e Adolescentes com Tumores Sólidos

Autores

  • Noemi Cristina Ferreira da Silva Assistente Social. Pós-Graduanda do Programa de Residência em Saúde da Mulher da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Egressa do Programa de Pós-Graduação em Oncologia do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-6170-3813
  • Senir Santos da Hora Assistente Social do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) e do Hospital Universitário Antônio Pedro (HUAP) da Universidade Federal Fluminense (UFF). Niterói (RJ), Brasil. Doutora em Serviço Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0161-3701
  • Fernanda Ferreira da Silva Lima Enfermeira do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Mestre em Patologia Clínica pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Niterói (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-6658-3101

DOI:

https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2020v66n3.1104

Palavras-chave:

Neoplasias, Diagnóstico, Condições Sociais, Criança, Adolescente

Resumo

Introdução: O câncer infantojuvenil é a doença que mais mata crianças e adolescentes no Brasil (8% do total) e a segunda causa de óbito nesse grupo etário. Estima-se que esse tipo de câncer represente de 1% a 4% da incidência de todos os tumores malignos na maioria das populações, sendo que aproximadamente 80% dos cânceres pediátricos ocorrem em países com baixo Índice de Desenvolvimento Humano. Objetivo: Identificar e refletir sobre as implicações do diagnóstico nas condições socioeconômicas das famílias de crianças e adolescentes com tumores sólidos. Pretende-se compreender as mudanças socioeconômicas que ocorrem na vida das famílias e quais as políticas sociais são acessadas por estas durante o tratamento oncológico pediátrico. Método: Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo e de coorte longitudinal, do tipo prospectivo, que contemplou dois momentos com os pais/responsáveis de crianças e adolescentes com tumores sólidos matriculados no Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), no período de 1/8/2018 a 31/3/2019; a amostra consistiu em 55 participantes. Resultados: Um dos achados da pesquisa demonstra que, após a confirmação diagnóstica, há redução da renda familiar per capita, com 63,6% dos participantes sobrevivendo na extrema pobreza com renda per capita inferior a ¼ do salário mínimo, em comparação com 25% (p-valor<0,004) que sobreviviam nas mesmas condições, no momento da admissão. Conclusão: Assim, compreende-se que, mesmo após três meses da confirmação diagnóstica, os usuários não acessam os benefícios assistenciais e/ou previdenciários que são primordiais para garantir melhores condições à realização do tratamento oncológico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2020-08-18

Como Citar

1.
Ferreira da Silva NC, Santos da Hora S, Ferreira da Silva Lima F. O Impacto do Diagnóstico nas Condições Socioeconômicas das Famílias de Crianças e Adolescentes com Tumores Sólidos. Rev. Bras. Cancerol. [Internet]. 18º de agosto de 2020 [citado 28º de novembro de 2022];66(3):e-131104. Disponível em: https://rbc.inca.gov.br/index.php/revista/article/view/1104

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)